Corumbá - Capital do Pantanal

Avalie este item
(0 votos)

O Município

De acordo com estimativas do IBGE de 2011, possui uma população de aproximadamente 110 mil habitantes, sendo a terceira cidade mais populosa de Mato Grosso do Sul, além de ser o 267º maior município brasileiro e o 134º maior município interiorano do Brasil. É também o 5º município fronteiriço mais populoso do Brasil.

A cidade sempre foi muito estratégica regionalmente para a entrada das mercadorias europeias e sua localização, após a serra de Albuquerque (que finaliza o Pantanal ao sul), no último trecho facilmente navegável do Rio Paraguai para embarcações de maior calado e a beira do Pantanal.

Corumbá é conhecida como cidade branca pela cor clara de sua terra, pois está assentada sobre uma formação de calcário, que dá a cor clara as terras locais.

Constitui o mais importante porto do estado de Mato Grosso do Sul e um dos mais importantes portos fluviais do Brasil e do mundo.

Localização

O município de Corumbá está situado no sul da região Centro-Oeste do Brasil, nos Pantanais Sul-Mato-Grossenses (Microrregião do Baixo Pantanal), próxima da fronteira com a Bolívia, à beira do rio Paraguai. O município é ponto de parada da ligação ferroviária entre o Brasil e a Bolívia, sendo a última cidade brasileira antes do território boliviano, do qual se separa por fronteira seca.

Corumbá abrange 60% do Pantanal sul-mato-grossense, 37% do Pantanal brasileiro, 30% DO Pantanal sul americano e algo em torno de 10% do Chaco sul americano. Sendo assim, considerada a “Capital do Pantanal” e a principal cidade às margens do rio Paraguai depois de Assunção, no Paraguai.

Localiza-se na latitude de 19º00’32” Sul e longitude de 57°39’10” Oeste.

Distâncias - 420 km da capital estadual (Campo Grande) - 1 445 km da capital federal (Brasília).

Hospedagem

Em seu porto fluvial, ficam atracados 52 barcos-hotéis, alguns de luxo. 

Possui mais 4 mil leitos em seus hotéis, que totalizam cerca de 40 unidades.

Meios de transporte

Seu complexo sistema intermodal de transporte inclui linha aérea, rodovias, Estrada de Ferro e o rio Paraguai, ligando a cidade ao resto do país e a interligação com Distritos, vilas, lugarejos, sítios e fazendas pode ser feito por estradas pavimentadas e não pavimentadas que permitem acesso durante todo o ano.

  • Rodovias: BR-262 e Estrada Parque Pantanal (turística)
  • Rodoviário: Automóvel (BR 262) e ônibus (Opera na rodoviária 2 empresas)
  • Aéreo: Aeroporto internacional que é o 2° do estado (Pista: 2000 m, Área de Embarque: 2.400 m², Distância do Centro: 3 km).

Cultura popular

Seu artesanato pode ser encontrado à venda, entre outros lugares, na Casa do Artesão, onde encontram-se peças que representam animais da região e do Pantanal. Estes trabalhos muitas vezes apresentam detalhes em madeiras típicas da região. Também é possível encontrar peças, como argila, que possuem utilidade mais que puramente decorativa.

Núcleos de artesanato da cidade

  • Art Izu (Rua Cuiabá, entre as ruas Tiradentes e Antônio João): pertencente a artista plástica Izulina Xavier. No local estão expostos seus artesanatos que são confeccionados em pó de pedra, entalhes de madeira e cerâmica. No local é retratado animais do Pantanal, figuras sacras e momentos históricos da cidade de Corumbá.
  • Casa de Massabarro (Parte baixa da cidade - Mapa): associação não-governamental com fins não-lucrativos, voltada exclusivamente para fins sociais com o intuito de dar às crianças do bairro uma oportunidade de profissão ao invés do ócio. Tem por objetivo incentivar a arte em cerâmica de crianças e adolescentes, que recriam a fauna e flora do Pantanal através da argila. A casa está sempre oferecendo peças artesanais em cerâmica, cuja temática é regional - pantaneira (flora e fauna), e também muitas peças de santos, principalmente "São Francisco".

Turismo

Parques

  • Ecoparque Cacimba da Saúde (Beira do Rio Paraguai - Mapa): trata-se de um minadouro de água gelada e transparente. Sua nascente exibe o leite de pedras na qual é formada, sendo considerada de tratamento medicinal. Hoje, existe um portal que se abre para o Parque da Cacimba, inaugurado em junho de 2003.
  • Parque Marina Gatas (Rodovia Ramón Gomez - Mapa): é a maior área de lazer da cidade, que está próxima da fronteira com a Bolívia. São 6 hectares arborizados, com muita sombra e gramado, considerados intocáveis. Descobriu-se ali um importante sítio arqueológico. Construído em 1991, em pedra calcária, o Parque é um lugar místico e proporciona uma vista maravilhosa da Baía do Tamengo, um grande lago que se formou entre Puerto Suarez e Corumbá.
  • Parque Zumbi dos Palmares (rua Pedro de Medeiros): o parque será implantado em uma área de 8,4 hectares, na Popular Velha, mesmo local onde está edificado o Centro Popular de Cultura, Esporte e Lazer. Dentro desse parque há o Aquário Municipal.

Monumentos

  • Escadinha da Quinze de Novembro (Av. General Rondon com a Quinze de Novembro): construída em 1923, possui 126 degraus e faz a ligação do centro da cidade ao Porto Geral.
  • Estação Ferroviária da Novoeste (Esplanada da estação próximo a av. Porto Carreiro - Mapa): antigamente era a estação da Noroeste do Brasil-NOB e atualmente administrada pela Novoeste (empresa pertencente a ALL).
  • ábrica de Gelo (Beco da Candelária): edificio construído numa encosta em patamares. Com estrutura metálica e alvenaria de pedra, é o único edifício no Brasil que agrega esse método construtivo. O edifício é argamassado no meio, mas na época não dava para saber até onde ele ia, pois a partir dele até a parte mais alta tudo estava em ruinas. A entrada principal lembra uma vila italiana.
  • Forte Coimbra (Márgem direita do Rio Paraguai - Mapa): foi construído em 1775 para conter invasões estrangeiras. É um distrito do município de Corumbá.
  • Forte Junqueira (17° Batalhão de Fronteira - Mapa): construído em 1871, logo após a guerra do Paraguai. Seu nome é uma homenagem ao ministro da guerra da época, José Oliveira Junqueira, que morreu em 1887. Possui 12 canhões, de 75 mm cada, importados da indústria alemã Krupp, mas nunca foram usados. Possui paredes de calcário com meio metro de espessura. Está situado dentro do Quartel do 17° Batalhão de Fronteira, num penhasco sobre rochas.
  • Ladeira Cunha e Cruz (Porto Geral): também conhecida por Ladeira da Candelária e um dos principais acessos a região do Porto Geral e o rio Paraguai. Seu nome é uma homenagem ao Capitão Cunha e Cruz, responsável pela derrota dos paraguaios. Ocorreu ali uma sangrenta batalha em 13 de junho de 1867.
  • Ladeira José Bonifácio (Porto Geral): foi construída em 1922 e também faz a ligação do centro da cidade ao porto.
  • Mirante São Felipe (Morro do Cruzeiro): vista de toda a cidade e Ladário. Abriga o Cristo Rei do Pantanal.
  • Porto Geral (Parte baixa - Mapa): no passado, quando era o terceiro maior porto da américa do sul, abrigava grandes empórios, 25 bancos internacionais, curtumes e a primeira fábrica de gelo do Brasil. Foi tombado em 1992 e reformado em 2005.

Centros culturais

  • Fundação de Cultura de Corumbá (Rua Frei Mariano, 428, Centro - Mapa): o local possui escola de música, oficina de dança, oficina de artesanato e realiza trabalhos com crianças carentes beneficiários do bolsa escola.
  • Instituto Luis de Albuquerque (Praça da República - Mapa): O espaço contém museu, biblioteca, sala de exposição, salão nobre para lançamento de livros, sala de poetas, oficina de teatro, oficina de artes plásticas, oficina de música e oficina circense. Durante o Festival América do Sul abriga em seu espaço exposições de artes plásticas nos quais são expostos trabalhos de artistas conhecidos da região e de outros países.
  • Memorial do Homem Pantaneiro (Ladeira José Bonifácio, 171 - Mapa): o museu abriga exposições permanentes e itinerantes sobre o ecossistema e a cultura pantaneira, cultura relativa aos povos que foram chegando e se fixando na região. O museu é um projeto de 2006, e que está instalado na Casa Vasquez & Filhos, prédio este que foi restaurado pelo Programa Monumenta.
  • Museu de História do Pantanal (Rua Manoel Cavassa, 275 - Mapa): esse museu retrata a história do homem que habitava a região pantaneira há seis mil anos até a chegada do colonizador, é composto por peças arqueológicas. Situado no Edifício Wanderley, Baís & Cia (restaurado em 2006), foi inaugurado em 2008.
  • Museu do Pantanal (Praça da República - Mapa): conta com uma coleção de animais empalhados, acervo de várias tribos indígenas da região (Kadiwéu, Terenos e Bororós), sessões de artes plásticas, de artesanato em couro e barro, peças arqueológicas e painéis de marcas de ferro de gado usados nas centenárias fazendas. Objetos pessoais dos primeiros desbravadores do Pantanal e do Marechal Cândido Mariano da Silva Rondon, que cortou a região com suas linhas telegráficas. O Museu funciona dentro da Casa de Cultura Luis de Albuquerque.

Produtos regionais

Um dos seus maiores símbolos de Campo Grande nasceu da inspiração de Conceição Freitas da Silva, mais conhecida por Conceição dos Bugres. Suas esculturas de bugrinhos ficaram famosas no resto do mundo. Mesmo depois de sua morte, seus descendentes continuaram seu projeto.

O artesanato indígena, principalmente terena e kadiwéu também é muito comum na cidade. Na produção terena se destacam a cerâmica, adornos, objetos em palha, barro e tecelagem. Na produção kadiwel se destaca mais o barro.

Atualmente na cidade há peças esculpidas em osso e couro de peixe. Esculturas de tuiuiús, garças, onças também se destacam.

Também se destacam o artesanato rural como arreio, berrante e agroprodutos.

Em prédios públicos, como a Casa do Artesão (situado na esquina da Avenida Calógeras a Afonso Pena, no Centro), há várias opções disponíveis. Há também a Praça dos Imigrantes, onde são comercializados trabalhos manuais.

Campo Grande é um dos maiores núcleos de artesanato do estado, possuindo vários espaços.

Locais como o Barroart, Feira Central: também conhecida como "Feirona", foi fundada no início dos anos 70, Feira Indígena, Memorial da Cultura Indígena, Mercado Municipal Antônio Valente e Praça da República de Campo Grande são alguns dos principais pontos de cultura regional de Campo Grande.

Eventos

Considerada o centro mais adiantado do estado de Mato Grosso do Sul para eventos e lazer, sendo a cidade que mais sedia eventos em todo o estado. Dispõem de produtoras e organizadoras de eventos e lançamento de novos produtos, centros para convenções e exposições.

  • Anfiteatro Professor Salomão Baruki
  • Centro de Convenções do Pantanal (3 auditórios)
  • Estação Natureza Pantanal
  • Moinho Cultural Sul-Americano
  • Parque de Exposições Belmiro Maciel de Barros: realiza exposições agropecuárias (Feapan) e shows.

Calendário dos principais eventos do Município


Fevereiro

  • Carnaval : Mantém fiel as tradições dos cordões carnavalescos, com aproximadamente 10 000 componentes que participam deste evento, desfile das Escolas de Samba e dos Blocos e os bailes populares que costumam reunir 40 mil pessoas por noite.
  • Festa de Nossa Senhora da Candelária (padroeira do município)

Março

  • Jogos Internacionais de Aventura do Pantanal: promover e divulgar o Destino Turístico Corumbá, agregando o esporte às atividades turísticas.
  • Seresta da Mulher: seresta dedicada ao dia internacional da mulher.

Abril

  • Seresta da Liberdade: seresta dedicada a liberdade

Maio

  • Seresta do dia das Mães: seresta dedicada ao dia das mães.
  • Festa de Nossa Senhora de Auxiliadora (em português)
  • Festa todo dia 24 de maio, mês de Maria, com quermesse. Após a quermesse segue a procissão pelas ruas da cidade de Corumbá
  • Festival América do Sul: Promove o desenvolvimento turístico e cultural da região de Corumbá e fazer a Integração dos países da América do Sul é a função desse evento

Junho

  • Festa e banho de São João: Arraial do Banho de São João é realizado durante quatro dias na cidade. O ponto alto acontece no início da noite de 24 para 25 de junho, com o tradicional Banho de São João.
  • Festa de Santo Antônio (namorados): Manifestação religiosa. Sua data, por coincidência, é dia 13 de Junho, dia da Retomada de Corumbá. Destaca-se o Baile de Gala, segundo tradição, símbolo do amor, com vistas ao bom casamento.
  • Festa de São Pedro Pescador: Organizada pela colônia de pescadores. A procissão é acompanhada pela banda da Marinha e após o programa religioso o Cururu (dança folclórica) tem seu espaço, até a madrugada.

Julho

  • Nossa Senhora do Carmo (Forte Coimbra): festa em homenagem a Nossa Senhora do Carmo que ocorre em Forte Coimbra.

Agosto

  • Seresta do dia dos Pais: seresta dedicada ao dia dos pais.

Setembro

  • Feira Agropecuária do Pantanal: Divulgar, promover, fortalecer e agregar os valores do agronegócio à atividade turística, uma vez que possuímos no município de Corumbá o maior rebanho bovino do país, mostrando a diversidade da cultura pantaneira.
  • Semana do Município: O mês de setembro é apontado como um dos mais importantes para a população corumbaense. São inúmeras festas em comemoração ao aniversário da cidade, que acontece no dia 21. Durante as comemorações, acontecem a Festa do Peão Boiadeiro e o Festival Latino Americano de Arte e Cultura.

Outubro

  • Mostra Corumbá-Santuário Ecológico de Dança: No ângulo cultural, a Mostra Corumbá também enriquece a visão de cerca de 35.000 pessoas.Vale salientar que o evento não se limita ao palco público, mas que cresceu, oferecendo oficinas e trazendo ícones da dança nacional e internacional.
  • Festival Pantanal das Águas: São quase 1.500 pessoas que consomem em Corumbá, aquecem o comércio e a rede hoteleira, proporcionando um movimento atípico para este período do ano.

Novembro

  • Concurso Municipal de Bandas e Fanfarras de Corumba: Todo ano, desde 2000, a prefeitura realiza esse concurso, que a cada ano atrai simpatizantes de Bandas e Fanfarras. As bandas se apresentam no Ginásio do Corumbaense.
  • Festival Gastronômico de Corumbá: festival com comidas e bebidas típicas de Corumbá
  • Concerto de Santa Cecília da Banda Manoel Florêncio: tradicional concerto da Banda Manoel Florêncio
  • Apresentação do Coral Cidade Branca: tradicional apresentação desse coral.

Dezembro

  • Concurso de Presépio, árvores de natal e de fachadas: em comemoração ao Natal, acontece o Concurso de Presépios, Árvores de Natal e de fachadas. Nessa época, a cidade se transforma num verdadeiro show de luzes coloridas que dão mais brilho à bela cidade corumbaense.
  • Festa e Louvação a Iemanjá: Evento realizado à beira do Rio Paraguai. As pessoas devotas vestem-se de branco e homenageiam atirando ao rio suas oferendas.
  • Lavagem da escadaria da Igreja Nossa Senhora da Candelária

Música e danças típicas

Os corumbaenses são bastante tradicionalistas e festeiros por excelência, sendo responsáveis por um dos melhores carnavais do interior do Brasil. Mas não se baseiam apenas nas festas, pois as danças e religiosidade também fazem parte de sua cultura.

Entre as danças se destacam

  • Cururu: brincadeira que se baseia em movimento, música, canto e sapateado, sendo um ato de religiosidade e lazer. Somente homens participam e cantam em duplas. Os instrumentos usados são a viola-de-cocho (tipo de viola de braço com cordas de tripa de mico ou quati), adufe, pandeiro e reco-reco, que é produzidos por eles próprios. Os participantes começam fazendo a louvação ao santo e prosseguem em forma de desafio, com versos improvisados.
  • Guarânia: gênero musical de origem paraguaia, em andamento lento, geralmente em tom menor. As canções mais conhecidas são: Índia, Ne rendápe aju, Panambi Vera e Paraguaýpe criado orquestra sinfônica modo baseado em poemas, canções com sinfônico accompaniments. O gênero seduz as populações urbanas, mas não no interior. Isto é provavelmente devido ao interesse das pessoas por estilos mais rápido como a Polka ou o Purahéi Jahe'o.
  • Polca paraguaia: também chamada de Danza Paraguaya (do espanhol, dança paraguaia), é um estilo musical criado no Paraguai no século XIX.
  • Rasqueado: o ritmo folclórico do rasqueado e sua respectiva dança receberam influência da polca paraguaia. Desse contato dos refugiados com a população ribeirinha e da mistura do violão paraguaio com a viola-de-cocho surgiria o rasqueado. Definição da palavra rasqueado: "…arrastar as unhas ou um só polegar sobre as cordas, sem as pontear". (Acordes em glissandos, rápidos, rasgado, rasgadinho, rasgueado e rasgueo).
  • Siriri: tipo de dança que tem um par solista no centro. A dança é uma sequência de danças com várias coreografias e denominações. Os instrumentos usados são a viola de cocho, caixote ou tamborete batido com caracoxá (reco-reco feito com babu e tocado com garfo) e baqueta.

Ecoturismo e turismo de pesca

A cada dia que passa o ecoturismo e a pesca se transforma na fonte de renda e empregos da região de Corumbá.

O turismo de pesca é realizado às margens dos rios Paraguai (Porto da Manga, baía de Albuquerque, foz dos rios Abobral, Miranda, Morrinhos e Porto Esperança).

Gastronomia

Um dos pratos mais tradicionais da cidade provém de Portugal: O sarrabulho ou sarravulho. É extremamente saborosa, preparada a base de miúdos de boi.

Também tem forte influência indígena, com pratos a base de raízes, milho e palmito. Sopa de piranha também é um prato típico.

Muito apreciado o churrasco pantaneiro, dando preferência a alguns cortes típicos, como a linguiça de maracaju e a ponta e capa da costela, conhecida também por matambre, que tanto pode ser cozida ou assada. Há também a culinária boliviana com as saltenhas (pastéis assados recheados com batata e diversos tipos de carne) e chipas, de origem paraguaia.

Mas o que predomina são os peixes, principalmente pintado (ensopado ou assado), pacu (frito e acompanhado de pirão), jaú, piraputanga, piranha (frita, escabeche, ensopada ou em caldo) e dourado. Os preços dos restaurantes em Corumbá são baratos.

Há opções de rodízios de pizzas e churrasco.

Veja as fotos do município

Visualizada 2924 vezes
 
Tempo Miranda